Artigos / Davi e a Graça no Antigo Testamento

Davi e a Graça no Antigo Testamento

Hands
diegorubin
17 de Janeiro de 2016, 20:38
0
Ereader icon

Introdução

Leitura inicial: Salmo 115[1]

Quem me conhece bem sabe que não fico muito confortável com pregações focadas em alguma biografia, mesmo que essa seja de uma personagem bíblica. Por isso pensei em trabalhar um momento da vida de Davi, onde ele escreve um Salmo muito importante e que revela-nos um caráter de Deus.

Mas primeiro gostaria de dar uma breve introdução aos feitos deste homem de Deus, arriscando que talvez alguém nunca tenha ouvido falar dele.

Davi

Davi segundo rei do reino de Israel, conhecido como o homem segundo o coração de Deus, quem planejou a construção do templo de Israel. Quem transformou Jerusalém na capital do Reino.

Ficou conhecido ao derrotar o gigante Golias, que afrontava o exercito hebreu.

A personagem mais citada no novo testamento, ao ponto de Jesus ser chamado de Filho de Davi.

Porém Davi não foi perfeito, cometendo diversos erros durante sua vida familiar. Neste ponto queria desviar um pouco o assunto para apontar o quanto falhos somos ao construirmos exemplos para nossas vidas. Desde crianças, mesmo aquelas que não foram criados na igreja, escutam desde de cedo como Davi foi um grande homem e muitas vezes acabamos criando uma personagem em nossas cabeças que nunca existiu. O ponto em que quero chegar pode ser ilustrado com uma conversa que participei a alguns anos atrás. Escutei de um pastor, que era apenas um conhecido e que frequentava um mesmo estabelecimento comercial que eu frequentava, uma frase mais ou menos assim: "eu não vou mais pregar usando como base a vida de Davi, descobri que ele fez muitas coisas erradas e não serve de exemplo para ninguém". Já acho estranho uma pessoa chegar a se tornar pastor sem saber o minimo sobre a Bíblia. Fora isso acho muito estranho, pois a Bíblia não, esconde o erro dos homens de Deus.

Um dos erros que a Bíblia não esconde do grande rei Davi é o seu adultério com Bate-Seba e o planejamento da morte do marido da mesma.

Acredito que temos muito o que aprender com os relatos bíblicos sobre a história de Davi e do agir de Deus em sua vida.

O Favor de Deus

Quero usar como base para tirar lições com Davi do Salmo 51. Creio que esse seja um grande exemplo do manifestar da Graça de Deus no Antigo Testamento.

Segundo a tradição, Davi escreve esse Salmo após ser confrontado pelo profeta Natã por causa de seu pecado em roubar Bate-Seba. Mesmo no Antigo Testamento vemos a Graça de Deus operar neste momento na vida de Davi.

O Senhor é misericordioso(vv 1-4)

Se pensarmos que a bíblia é inspirada por Deus, no momento que Davi escreve isso é o próprio Deus que está dizendo que Ele é misericordioso.

Davi ao ser confrontado, toma uma decisão diferente da qual Adão tomou após ter pecado contra Deus, ao invés de se esconder, ou mesmo utilizar de sua autoridade para confrontar o profeta Natã, Davi se humilha e reconhece que falhou.

Esta é a primeira lição que podemos tomar, somos falhos, porém temos um Deus misericordioso que está disposto a nos perdoar quando buscamos isso.

Essa instrução está muito ligada com as palavras de Jesus nas bem-aventuranças elencadas durante o sermão do monte em Mateus 5:3-4[2]

Assim temos que está é a atitude que o próprio Senhor Jesus espera de nós ao depararmos com nossos pecados.

Nascemos em Pecado(vv 5-6)

Algumas correntes religiosas, e até mesmo a "sabedoria popular" acredita que todos os serem humanos nascem sem qualquer tendencia para o bem ou para o mal, como dizem: "As crianças são como uma folha em branco".

Isso vai de encontro com o que o Apóstolo João vai dizer mais pra frente:

Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.

A alegria da Salvação (vv 7-12)

Me converti em um contexto doutrinário onde uma separação era radicalmente feita entre Antigo Testamento e Novo Testamento, apontando que no antigo testamento as pessoas eram salvas por meio da lei e novo testamento, vivemos a época da Graça e somos salvos pelo Sacrifício de Cristo.

Tanto hoje, como na época do Antigo Testamento, as pessoas sempre foram salvas por meio da obra de Cristo, única e exclusivamente. As formas que isso era comunicado mudaram sim, após Cristo, porém ambas as formas apontam para o Messias prometido, isso é bem explanado na Confissão de Fé de Westminster[3]

Como Deus está fora do nosso tempo, podemos inferir que quando Ele proclama a promessa à Adão e a Eva que um descendente haveria de vir e pisar a cabeça da serpente, nesse momento, para Deus, Cristo já havia sido crucificado. C. S. Lewis expõe esse ponto de maneira fantástica em seu livro Cristianismo puro e Simples[4].

Com quase toda certeza, Deus não está no tempo. A vida dele não consiste em momentos que são seguidos por outros momentos. Se um milhão de pessoas oram para ele às e meia da noite, ele não precisa ouvi-las todas no instantezinho que chamamos de dez e meia. Dez e meia, ou qualquer outro momento ocorrido desde a criação do mundo, é sempre o presente para Deus. Para dizê-lo de outra maneira, Deus tem toda a eternidade para ouvir a brevíssima oração de um piloto cujo avião está prestes a cair em chamas.

Sei que isso é difícil. Vou tentar dar outro exemplo, não exatamente sobre a mesma coisa, mas de algo um pouco parecido. Suponho que eu esteja escrevendo um romance. Escrevo: "Mary largou o trabalho e logo em seguida ouviu baterem à porta." Para Mary, que vive no tempo imaginário da minha história, não há intervalo entre largar o trabalho e ouvir a batida na porta. Eu, porém, que sou o criador de Mary, não vivo nesse tempo imaginário. Entre o tempo de escrever a primeira metade da frase e a segunda, posso parar o trabalho por umas três horas e ficar imerso em pensamentos sobre Mary. Posso pensar sobre minha personagem como se ela fosse a única personagem do livro e por quanto tempo eu desejar, e no entanto as horas passadas nessa atividade não aparecerão no tempo dela (dentro da história).

Não somente depois que morrermos que a obra salvífica de Cristo nos alcançará, mas ela começa a trabalhar em nossas vidas neste momento em que vivemos. A relação com a Santa Trindade é restabelecida, mesmo que somente em partes.

Nosso Trabalho em Prol do Reino(vv 13-15)

Davi fez muitas coisas para Deus, isso é inegável, e de acorodo com os relatos podemos concluir que a motivação empregada por ele para faze-las não era egoísta. E assim devemos nos comportar também, não devemos atuar em prol da obra do Senhor esperando recompensas, mas creio que devemos fazer por amor ao nosso Deus e reconhecer sempre que sem Ele, não somos nada.

Quando entendemos isso é quase impossível ficarmos inertes perante a tão grande amor.

A Aceitação de Nossas Obras(vv 16-19)

A intenção com a qual fazemos as coisas conta muito para Deus. Podemos fazer grandes coisas em nome de Deus, porém se dentro de nós se houver motivações egoístas essas obras podem não ser aceitas por Deus.

Jesus deixa bem claro esse aspecto da piedade, também durante o sermão do monte[5].

Quando possuímos um coração realmente dependente de Deus, ai sim nossas obras terão valor perante Deus.

Conclusão

Davi é chamado de homem segundo o coração de Deus porque reconhece sua fragilidade e perversão perante o Deus criador e é isso que Deus espera de nós. Davi diz isso no versículo 17[6]

É nesse ponto que acho que o George Carlin erra em uma de suas apresentações mais famosas[7]. Não é por medo que fazemos ou deixamos de fazer algo, mas por amor.

Acredito que a única forma de obter verdadeira obediência é através do amor e nunca através do medo. Tenho um exemplo que presenciei a algum tempo atrás, um exemplo imperfeito se comparado com nossa relação com Deus, porém que ilustra o que estou querendo dizer.

Em um retiro que participei, dois lideres de igrejas diferentes eram responsáveis por manter a ordem do acampamento, um era muito querido pelos jovens outro tentava impor respeito. Em uma determinada ocasião onde os jovens estavam escondendo pequenas bombinhas. Quando o líder do medo tentou recuperá-las nenhum dos jovens responderam, apenas ignoraram. Quando o líder que era querido pediu que entregassem as bombinhas, obedeceram no mesmo instante.

Acho que nossa vida com Deus deve ser assim também, e o é quando realmente entendemos através do Santo Espirito de Deus a obrade Cristo na cruz, e o que foi feito por nós, que não merecíamos nada. Quando entendemos isso começamos a servir a Deus por amor, e não por medo, muito menos por qualquer especia de barganha como tanto é sugerido nos dias de hoje.

Notas

[1] Salmos 115:1 - Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua misericórdia e da tua fidelidade.

[2] Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;

[3] Capítulo VII

[4] Livro IV, Capítulo 3

[5] Mateus 6:1-18

[6] Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não desprezarás, ó Deus.

[7] https://www.youtube.com/watch?v=F6fl5fq6qLs